+ Ouça Glasvegas e outros destaques no Podcast Pop Mix

29 de setembro de 2008

Nesta nova edição do Podcast Pop Mix você encontra algumas pérolas da cena indie e alguns achados da música pop em geral, além dos australianos do Kinematic e o aclamado grupo escocês Glasvegas.

artigo publicado por popmix
tags

+ Assista ao clipe de “Dysfunktional Uncle”, do Happy Mondays

27 de setembro de 2008

Dysfunktional Uncle é mais um clipe extraído do homônimo álbum que marca a volta do Happy Mondays, uma das “bandas símbolos” de Manchester, que é considerada uma das mais influentes do pop britânico.

artigo publicado por popmix
tags

+ POP MIX É INDICADO A MELHOR SITE DE MÚSICA EM PRÊMIO NACIONAL. Vote!

26 de setembro de 2008

O Pop Mix foi um dos 20 indicados à categoria “Melhor Veículo Online” do Prêmio Dynamite 2008. O prêmio foi criado em 2002, e em 2007 alcançou o recorde de 163.423 votos.

Para votar, basta acessar www.premiodynamite.com.br e cadastrar seu e-mail.

artigo publicado por popmix
tags

+ Pop Mix “testemunha” show do Queen na Rússia

17 de setembro de 2008

Foto: Divulgação 

 

Queen ao vivo em Moscou – Sportivny Kompleks Olimpiysky, em 16/09/08.

Por: José Cláudio M. Barboza Jr.

No verão gelado da capital russa, lá estava o Pop Mix presente pontualmente às 19h no Sportivny Kompleks Olimpiysky, o famoso estádio olímpico de Moscou, para fins de cobrir o segundo show do Queen, com o vocalista Paul Rodgers, pela “Queen + Paul Rodgers Rock The Cosmos 2008 Concert Tour”.

O concerto inicia-se com efeitos no telão, simulando uma tempestade com raios de dar pavor aos fãs do Black Sabbath e do Slayer. “Tie your mother down” tem início, e a multidão que lotava o estádio entra em catarse coletivo, mas timidamente revelam o gosto pelo grupo de Brian May e Roger Taylor (vale lembrar que o baixista John Deacon ficou de fora deste revival da banda) em razão do ostensivo policiamento russo. Todavia, interessante ressaltar que, justiça seja feita, Paul Rodgers, apesar de não possuir um décimo do carisma do inigualável e inesquecível Freddie Mercury, além de fazer bonito, não se mostra como um plágio de Mercury, tampouco se predispõe a isso, como a esdruxula “volta” dos Doors. Rodgers tem brilho e voz próprios. As novas músicas, como a emocionante “Say it’s not true”, tem encaixe perfeito com antigas, como ” Radio Ga-Ga”, ou “I want to break free” e “Another one bites the dust”. Os pontos altos do espetáculo foram a presenca de Brian May sozinho no palco, com um violão de doze cordas, a cantar a bela “Love of my life”, além de “’39” – cantada em conjunto, pelos três -, e a apoteótica e visionária “The show must go on”.

Outros clássicos se misturavam às novidades, a culminar com o hino “We will rock you”. Numa terra de escrita e costumes totalmente diferentes dos ocidentais (poucas pessoas falam inglês), mesmo com a queda da cortina de ferro, ainda nos provoca calafrios a vitoria desta banda de “putas velhas”, que, com ousadia, prestaram um lindo tributo a Freddie Mercury, que, certamente, estaria a reverenciar o atual grupo Queen, Paul Rodgers e o povo russo.

artigo publicado por popmix
tags

+ Rio tem mostra de cinema rock esta semana!

9 de setembro de 2008

 Foto: Divulgação

Por: Vitor Diniz

A estilosa grife carioca Totem promove entre quarta, 10, e domingo, 14, uma mostra de cinema com temática rock, que só pode ser definida como imperdível.

artigo publicado por popmix
tags

+ Plastiscines mostram doçura punk em São Paulo

7 de setembro de 2008

Foto: Mondrian Alvez
Foto: Mondrian Alvez 

 

Por: Vitor Diniz 

As francesas do grupo Plastiscines acabaram fazendo um descontraído e interessante show no Orloff Five, na noite deste sábado, na Via Funchal, em São Paulo, apesar de terem sido prejudicadas por um eventual problema no som,  que justamente no show delas parecia não colaborar.

 As meninas de Paris não paravam de solicitar ajustes no equipamento, e após “Alchimie”,  a terceira música, elas chamaram ao palco um suposto técnico, que parece não ter resolvido o que elas queriam,  e o show seguiu meio que no “do it yourself”, com elas tentando acertar o som ao longo da apresentação.

Quando tocaram o hit “Loser”, seu  grande sucesso em terras francesas, arrancaram um certo frisson da galera, que também não parava de “endereçar” elogios e fazer  juras de amor às beldades parisienses.Com uma certa pegada punk e com um visual que nos fazia achar estar vendo em cena quatro “dasluzetes”, as Plastiscines foram aos poucos mostrando um lado performático fantástico, e depois que desencanaram de vez  dos problemas de som, então  deram uma aula de carisma e atitude pop para os paulistanos, que não lotaram a Via Funchal, nem mesmo no show do The Hives,  principal  atração da noite.

Uma ótima cover da clássica “These Boots Are Made For Walkin'”,  famosa na voz de Nancy Sinatra,  foi um dos grandes momentos das Plastiscines no Brasil, e ali ficou clara  a bela fusão de douçura pop e cultura roqueira,  que  tanto caracteriza este interessante grupo feminino, que hoje é, ao lado do BB Brunes, um dos expoentes do rock na França!

No final, uma versão extensa de “Mister Driver” foi muito bem vinda com baking vocals perfeitos e cheia de improvisos e brincadeiras com o público. “Under Control”, que também fecha o álbum “LP 1”, encerrou  o show com as lindinhas da terra de “Serge Gainsbourg” dançando e interagindo como se fossem criancinhas com seus apaixonados, porém não muitos fãs, mas que parecem ter ido para casa felizes da vida.

artigo publicado por popmix
tags

+ Hives: “Não queríamos parecer pobres”

5 de setembro de 2008

Hives 

 

Por: Mondrian Alvez
Fotos: Fernando Gardinali

Na coletiva de imprensa desta quinta, os suecos contaram que sofreram as mesmas dificuldades de qualquer banda independente, mesmo em um dos países mais ricos do mundo. Estão pela primeira vez no Brasil, e são a atração do  Festival Orloff Five, sábado (6) no Via Funchal.

Com humor e boas doses de ironia, o vocalista Howlin’ Pelle Almqvist se divertiu revelando a origem do figurino alinhado do The Hives. “Claro que a pobreza brasileira é diferente da que temos na Suécia”, justificou, “mas gastávamos toda a grana em baquetas, por exemplo. Para escapar daquela pobreza, decidimos pelo menos nos vestir bem no palco. Bandas que tocam com a mesma roupa que usam na rua me parecem preguiçosas”. A idéia de usar ternos em preto e branco é inspirada em fotografias velhas, “de bandas que ouvimos muito, como Devo e Kraftwerk”, relembra o guitarrista Nicholas Arson”, ou a personalidade do AC/DC, por exemplo”.

O baixista Matt Destruction e o guitarrista Vigilante Carlstroem falam  pouco, porém são muito simpáticos, e bem atentos ao bate-papo. Chris Dangerous, baterista, conta que no começo ensaiavam num prédio ao lado de uma gravadora, que acabou assinando com a banda, pela popularidade na cidade. Mesmo contratados, lançaram o primeiro disco através de um selo próprio, independente. Na verdade estavam com medo de não dar certo, e se queimar no mercado. “Veni Vidi Vicious” estourou e o Hives chegou a ser chamado de salvação do rock. “Ficamos decepcionados! Achamos que seríamos bem mais do que isso!”, brinca Almqvist com a afirmação.

O grupo virou celebridade na Suécia somente depois do sucesso internacional. Uma trajetória semelhante a do Sepultura, CSS, e Bonde do Rolê, coincidentemente citados pelo Hives como “bandas brasileiras conhecidas”. Focados numa carreira sólida, Almqvist se incomoda com o excesso de bandas que fazem sucesso rápido. “Seria bom que grupos ruins saíssem do MySpace, estão ocupando espaço”, provoca. Nicholas reflete: “Por  outro lado, a internet é muito útil. Antes era difícil encontrar o trabalho  de artistas que gostávamos, agora é possível fazer uma turnê inteira sem ter um disco lançado”.

 

THE HIVES – Festival Orloff Five (Via Funchal)

Sábado, dia 6. Com as bandas: Plastiscines (França), Melvins (EUA),
Vanguart (Cuiabá) e o DJ Tittsworth (EUA).

Brasília – Pílulas Porão do Rock
Sexta (5), a partir das 22h
Arena Futebol Clube (Setor de Clubes Sul), Brasília
R$ 30 e R$ 40

São Paulo – Orloff Five
Sábado (6), a partir das 19h
Via Funchal, R. Funchal, 65, V. Olímpia, tel. (11) 3188-4148 (Call Center)
R$ 100 (pista) / R$ 160 (mezzanino) / R$ 180 (camarote)

Porto Alegre – Bourbon Shopping Country
Segunda (8), às 21h
Av. Túlio de Rose, nº 100 / 2º pavimento

artigo publicado por popmix
tags