São Paulo

29 de novembro de 2012

http://www.indomaretgroup.com/underestimate/zakladki-metadon-v-rudne.html

Закладки спайс россыпь в Няндоме 03/02/2013 – Grizzly Bear – Cine Joia

http://www.cakiroglumakine.com/penalty/kupit-kristalli-gorodishe.html 29/03/2013 – Lollapalooza Brasil – Jockey Club
Com: The Killers, The Flaming Lips, Cake, Passion Pit e Crystal Castles

Как сделать самокрутку из газеты: скручиваем правильно 30/03/2013 – Lollapalooza Brasil – Jockey Club
Com: The Black Keys, Queens of the Stone Age, Franz Ferdinand e Two Door Cinema Club

http://www.achintyaenterprises.com/standpoint/lihoslavl-kupit-beliy.html 31/03/2013 – Lollapalooza Brasil – Jockey Club
Com: Pearl Jam, Planet Hemp, The Hives e Kaiser Chiefs

artigo publicado por admin
tags agenda shows

Ugly Kid Joe no Brasil

15 de agosto de 2012

Grupo da Califórnia que ganhou fama nos anos 1990 , se apresentou em SP para alegria dos fãs.

.

.

.

.

.

.

.

.

Kiwanuka na Big Apple

25 de junho de 2012

Texto e foto: Vitor Diniz

Em Nova Iorque existia, mesmo alguns dias antes, um forte frisson em torno da única apresentação do cantor inglês Michael Kiwanuka na cidade. Destaque na revista Time Out daquela semana e com ingressos esgotados, o músico que é uma das grandes apostas para faturar boa parte dos prêmios em 2012, subiu ao palco do Highline Ballroom com sua magistral banda.

Kiwanuka, à frente com seu violão e um certo estilo folk, contou ainda com guitarra, baixo, teclado, bateria e percussão em seu grupo, ou seja, além dele mais cinco músicos altamente habilidosos o acompanharam na noite do último dia 13 de junho, em Nova Iorque.

”You’ll Give Everything But Love” foi a primeira da noite a encantar o interessado público que fazia silêncio para ouvir cada acorde. ”Tell Me a Tale”, que remete a Van Morrison, abre Home Again, único disco do talentoso londrino, filho de africanos. Nesta apresentação, a música ganhou contornos acentuados do mais puro jazz, e, com improvisos redondos, teve sua versão esticada.

купить Говнишко Мытищи Lembrando os grandes da música negra

Cantando quase sempre com o rosto inclinado para a esquerda, o músico quase não encarrava a plateia e parecia fazer força ao soltar sua bela voz, sempre transbordando dramaticidade em suas interpretações valiosas.

”I’m Getting Ready” rendeu um dos mais emocionantes momentos de um show em que Kiwanuka acertou até na hora de sair de cena . Depois de interagir simpaticamente várias vezes com os americanos e de tocar doze faixas fez uma pausa. Depois mais duas no tempo extra, com a dançante ”I Don’t Know”, lembrando os grandes da música negra.

 + Leia a resenha do primeiro disco de Kiwanuka

artigo publicado por popmix
tags Michael Kiwanuka shows

Grouplove: palmas e pulos

15 de junho de 2012

Por Vitor Diniz
.

Quem frequentou o Maracanã nos anos 1980 sabe que, por vezes, a sua arquibancada tremia em grandes jogos. Os mais velhos diziam que era assim mesmo e tal. A mesma sensação, depois de tantos anos, pode ser sentida na noite desta quarta feira, em Nova Iorque, por este articulista, no show do grupo americano The Grouplove.

O ótimo e confortável Webster Hall estava lotado (ingressos sold out, e na mão de um cambista valiam três vezes mais!). Quando o grupo de Los Angeles tocou seu hit ”Tongue Tied”, o piso  tremia nitidamente. Os novaiorquinos pulavam da forma mais alta que podiam e cantavam em coro. Parecia que todas as tribos tinham representantes ali, desde as patricinhas aos veteranos amantes da música pop, passando pelos (muitos) ”Hipsters” de Williamsburg.
A fofíssima cantora  e  super cool – Hanna Hooper – comandava toda a loucura indie. Ela não para um minuto no palco. Dança, canta, toca teclado ocasionalmente e, principalmente, contagia o público com sua performance eletrizante. Ela é a cara desta incrível banda, que, ao lado de seu vocalista e guitarrista Christian Zucconi, só falta fazer chover no palco.
Em NYC, o Grouplove tocou para uma plateia mesclada em termos de idade e etc, mas, na véspera, na Filadélfia, o grupo, que também lotou o The Teather Of Living Arts,  fez uma apresentação semelhante para uma galera muito mais jovem. Uma moçada com predomínio feminino, que usava bermuda jeans e calçava havaianas. Mesmo assim, também pularam muito ao som do Grouplove.
Ao vivo, os californianos são mais roqueiros  que em estúdio, mas não perdem, apesar da loucura e certa barulheira, seu doce pop. A forma como usam as palmas em alguns números é pra lá de peculiar. Toda esta atmosfera vibrante e a pilha que a banda traz ao vivo pode ser em parte notada no You Tube, no vídeo do programa de David Letterman, quando eles tocaram ”Colours”, música que fechou ambos os concertos do Grouplove, que o Pop Mix acompanhou em domínios ianques. Um dos roadies da banda usava a camisa 7 do Brasil, de Jairzinho. Tudo muito cool, até isso…
artigo publicado por popmix
tags Grouplove shows

Band of Horses in Rio

20 de maio de 2012

Texto e fotos – Vitor Diniz

Uma das mais elogiadas bandas da cena indie, o Band Of Horses tocou pela primeira vez no Rio de Janeiro, neste sábado (19 de maio), no Vivo Rio.
O grupo de Seattle foi uma das atrações do Festival Lollapalooza, em São Paulo, recentemente, e volta à capital paulista nesta segunda-feira (21 de maio), para show que promete gerar um culto indie no Beco 203, na Rua Augusta, que, por certo, estará repleto.

.No Rio, a banda, revelada pela lendária gravadora Sub-Pop, tocou para poucos em uma casa de porte, digamos, ”mega” para um grupo com pouco espaço na grande mídia brasileira e com status de cult por aqui. Era fácil andar pela pista quase vazia.
Para o show de São Paulo, o fato de a banda ter participado do programa Altas Horas, da Rede Globo, pode ajudar ainda mais a agitar a segundona, que já deve ser frenética, por conta dos indies que frequentam o Baixo-Augusta, região aonde será realizado o show.

see url Mais rock e menos indie!

go to link Em solo carioca, o Band Of Horses cometeu uma atuação superdecente. Os amplificadores Vox e o órgão de madeira (estilo The Doors) no palco já entregavam que aqueles que estavam ali para a festa do campeonato mundial de surf veriam algo muito bacana. Mais pesados no palco do que no disco, os americanos desfilaram suas canções que exalam o tempero sulista, cheias de ecos country de bandas que formaram o berço denso do rock ianque.

A força das guitarras fala mais alto ao vivo do que a atmosfera melancólica dos três álbuns e o lirismo indie fica, por vezes, em segundo plano, dando espaço a uma camada de guitarras de uma autêntica banda de rock and roll.
A lindissima ”Cigarettes, Wedding Bands” começou o show, dando uma pista errada da apresentação, já que depois, eles aumentaram o volume e fizeram um som cru e roqueiro na maior parte da noite, usando músicas de seus três álbuns.